Um lugar ao sol

domingo, 27 de março de 2011

Pode-se dizer que Um lugar ao sol (Editora Globo; 412 páginas), quarto romance de Érico Veríssimo, é um híbrido das três obras anteriores: Clarissa, Caminhos Cruzados e Música ao longe. O autor promove um encontro de personagens: Clarissa e Vasco tornam-se amigos e compadres de Fernanda e Noel.

Neste enredo, a família Albuquerque vive o drama de ser vítima da violência: o pai de Clarissa, João de Deus, é assassinado por Zé Cabeludo, capanga do Prefeito de Jacarecanga, no interior do Rio Grande do Sul. Trata-se de um crime motivado por questões políticas antagônicas.


O primo Vasco vê-se, então, obrigado a chefiar o que restou de sua família: Clarissa e a mãe dela, Dona Clemência. Os três se mudam para Porto Alegre e, de início, hospedam-se na pensão da tia Zina e do tio Couto, onde Clarissa havia morado anteriormente, enquanto cursava o Normal Superior.


Alguns meses depois, a família aluga um apartamento no Edifício Colombo, onde o casal Fernanda e Noel mora, junto com Dona Eudóxia e Pedrinho. Neste ambiente familiar, Fernanda é o porto-seguro de todos. Sem ela, não há dinheiro para o sustento da mãe, do irmão e do marido.


No entanto, os momentos mais marcantes nesta trama são: o reencontro de Vasco com o pai Álvaro Bruno, que havia abandonado a família para se aventurar pelo mundo - e, por causa disso, a mãe Zuzu cometera suicídio -, e o nascimento dos ‘filhos’ de Noel: a Anabela e o seu primeiro romance.


Intitulado Um lugar ao sol, a história baseia-se na vida de João Benévolo, um homem desempregado e sem ânimo para mudar de vida, cuja família é sustentada pelo antigo namorado da esposa. Já a obra de Érico Veríssimo, de mesmo título, refere-se aos sonhos, às lutas e às frustrações de Vasco.


***


Minha opinião: “O que me cansou nesta leitura foi a crise existencial do personagem Vasco. Os pensamentos dele são narrados detalhada e extensamente, o que me impediu de ler em um curto período de tempo – digo, uma semana. No mais, o romance é doce como todo romance do autor. Curti a amizade de Clarissa e Fernanda e torci por Noel, que sofreu tanto para escrever aquele livro. Não fosse a ajuda da Fernanda... Percebi que tenho um Q desta personagem por tratar os meus com tanta dedicação e afeto”.

2 comentários:

  1. Oi, Dani!

    E segue em frente a saga 'Érico Veríssimo'! Teu blog será um lugar certo para as pesquisa dos alunos do ensino médio que presisam fazer resenha na escola!rsrsr

    Beijoo

    ResponderExcluir
  2. Olá Dani!
    Tem sido uma delícia acompanhar teu olhar sobre a obra de Érico.
    estrelinhas coloridas...

    ResponderExcluir

Entre aspas

A palavra amor é um eufemismo para abrandar um pouco a verdade ferina da palavra cio.
Fisiologicamente, verdadeiramente, amor e cio vêm a ser uma coisa só.
(Júlio Ribeiro, 1845-1890)

Seguidores

Últimos Comentários

©LEITURA DO MOMENTO

Todos os Direitos Reservados