O clube das chocólatras

domingo, 3 de abril de 2011

É impossível ler O clube das chocólatras (Editora Bertrand; 415 páginas), de Carole Matthews, sem devorar bombons ou barras de chocolate. A começar pela capa: um apetitoso brigadeiro na colher. [Dá água na boca!]. Depois, a hilariante trama em que todos os conflitos são resolvidos à base de chocolate. Por fim, o cardápio: a autora registrou muitas marcas desse alimento para que toda leitora-chocólatra que se preze possa experimentar novas opções.

O clube das chocólatras é formado por quatro amigas, inseparáveis na alegria e na tristeza, que se reúnem no Paraíso do Chocolate, uma chocolataria sofisticada em Londres, pertencente ao casal gay Clive e Tristan. Todas elas enfrentam problemas, dos mais aos menos graves, nos seus respectivos relacionamentos. Mas basta uma mensagem pelo celular e o grupo se reúne para desabafar e aliviar as mágoas - com chocolate, é claro.

Lucy flagrou o namorado Marcus com a amante em pleno ato. Com os restos de um jantar romântico, vingou-se dele, espalhando-os pela casa. Chantal tem um casamento infeliz com Ted e, por conta disso, procura em outros homens o prazer sexual. Nadia é casada com Toby, um viciado em jogos de azar, que não a deixa trabalhar. Autumn namora Addison, ambos trabalham numa instituição filantrópica que atende viciados em drogas. Mas ela dispensa mais cuidados ao irmão Richard, usuário de drogas, do que ao namorado.

Como há muitos conflitos na trama, o momento êxtase é a Operação Resgatar as Jóias de Chantal, na qual o grupo de amigas planeja roubar o cara que assaltou Chantal após uma noite de amor. Lucy se responsabiliza por seduzir o cara, embebedá-lo e fazê-lo comer chocolate com sonífero. Autumn se responsabiliza por roubar a chave do quarto do hotel em que ele está hospedado. Nadia e Chantal, por vasculhar o quarto para encontrar os objetos furtados.

No fim da Operação de Resgate das Jóias, os objetos de Chantal são recuperados. Mas, para concluí-la com sucesso, as chocólatras, lideradas por Lucy, armam uma vingancinha para que o tal John Smith ou Felix Levare [o nome do vigarista sedutor pode ser falso] aprenda a lição e saiba bem tratar uma mulher! E, assim como em todo romance que tem um Q de comédia, todo o resto é inimaginável e surpreendente.

***

Minha opinião: “Carole Matthews é, para mim, a autora-revelação do ano de 2010. Eu me diverti muito com as quatro chocólatras por suas trapalhadas e também pelo desejo que elas têm em comum de amar e ser amada. É uma leitura agradabilíssima para um fim de semana. Aguardo ansiosamente a continuação da série, pois, a autora sabe - como poucos - envolver o leitor com seu vocabulário leve e cômico.”

2 comentários:

  1. Oi, Dani!

    Esse livro é realmente delicioso: Como chocolate!!

    Leitura obrigatória para quem gosta de chick-lit

    beijoOo

    ResponderExcluir
  2. Acabei de ler esse livro hoje de manhã e já vou começar a ler o segundo...
    Beijos prima!

    ResponderExcluir

Entre aspas

A palavra amor é um eufemismo para abrandar um pouco a verdade ferina da palavra cio.
Fisiologicamente, verdadeiramente, amor e cio vêm a ser uma coisa só.
(Júlio Ribeiro, 1845-1890)

Seguidores

Últimos Comentários

©LEITURA DO MOMENTO

Todos os Direitos Reservados