A costureira

domingo, 10 de agosto de 2014

Baseado em fatos reais [como eu amo de paixão!], o enredo do romance A costureira (Editora Geração; 376 páginas), de Kate Alcott, se passa em abril de 1912 e tem início no porto de Cherbourg, na França, onde o famoso navio Titanic fez uma parada para receber mais passageiros para sua trágica viagem inaugural com destino a Nova Iorque. No centro da trama, duas personagens opostas, Tess Collins e Lucile Duff Gordon, que se atraem pela paixão por linhas, agulhas e moldes.

Tess havia sido servente por toda a vida; sonhava em ser costureira de alta costura - ou, em francês, haute couture. Sua mãe havia lhe ensinado os manuseios com a máquina de costura; e suas peças eram bem-feitas. Cansada da rotina que levava em casas alheias, teve a ideia de procurar emprego na companhia do navio, a White Star Line, para que pudesse embarcar no Titanic. Lá sim haveria pessoas que poderiam ajuda-la na realização do seu sonho de trabalhar com moda em um grande centro urbano.

Lucile, personagem da vida real, é uma estilista de renomado prestígio. Embarca no Titanic junto de seu marido, Sir Cosmo Edmund Duff Gordon. [Vejam as fotos, retiradas do Wikipedia.] Ela iria apresentar sua nova coleção em um desfile de moda em Nova Iorque. No momento do embarque, é comunicada sobre a desistência de sua secretária pela viagem transatlântica. Desesperada, esbraveja em meio à multidão no cais do porto e é assistida por Tess. Ali estava a oportunidade de apresentar-se à estilista e embarcar naquele navio como sua secretária-assistente.

O fato é que o Titanic colidiu com um iceberg, afundou e muitas pessoas morreram. [Quanto spoiler! kkk] O casal Duff Gordon e Tess utilizam um bote salva-vidas junto com outras nove pessoas, sete das quais são tripulantes. Remando em direção ao navio Carpathia que vinha auxiliar no resgate do Titanic, o casal não aceita o regresso para o local do acidente a fim de completar a capacidade máxima do bote. E, por conta da situação, oferecem uma recompensa aos tripulantes por encontrarem-se todos sãos e salvos.

Lady Duff Gordon

Sir Cosmo Edmund Duff Gordon

Já em terra firme, o casal Duff Gordon é acusado de suborno. Ante a comoção pública em torno do naufrágio, uma comissão de inquérito é instaurada para investigar tanto as causas do acidente quanto à denúncia que envolve o casal. Tess é uma importante testemunha ocular sobre o quê de fato aconteceu naquele bote. Será que ela irá depor a favor do casal para, enfim, conseguir seu lugar ao sol como costureira. Ou deporá contra e, assim, fechar as portas para seu sonho?

***


Comentário: “A leitura de A costureira é agradabilíssima pelo texto envolvente, escrito em ordem linear e cronológica. Do início ao fim, a tragédia do Titanic é revelada aos olhos do leitor. Curioso foi saber a sucessão dos fatos após o acidente: a investigação sobre suas causas, as denúncias sobre os atos imorais e antiéticos de pessoas que sobreviveram à tragédia e o comportamento da mídia ante a comoção e opinião públicas sobre os fatos. Por este motivo, considero inovadora a abordagem feita pela autora sobre uma história tão batida por ser tão conhecida do público em geral”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Entre aspas

A palavra amor é um eufemismo para abrandar um pouco a verdade ferina da palavra cio.
Fisiologicamente, verdadeiramente, amor e cio vêm a ser uma coisa só.
(Júlio Ribeiro, 1845-1890)

Seguidores

Últimos Comentários

©LEITURA DO MOMENTO

Todos os Direitos Reservados